Articles

Marie Gabi Rosé

Recomendação Tintos&Tantos

Marie Gabi Rosé

Alguns vinhos nos causam tanta surpresa, que a pergunta que vem à cabeça é: “Como eu não conhecia isso antes?” Assim acontece com o Marie Gabi, rosé produzido por Routhier & Darricarrère.

Esse rosé não é um vinho francês, mas é um vinho “de franceses”!

Para quem não conhece, a Routhier & Darricarrère é uma vinícola butique da Campanha Gaúcha, formada pela união de duas famílias, uma francesa e uma canadense, que se estabeleceram no Brasil. Se quiser saber mais sobre vinhos de butique, clique aqui.

A produção da Routhier & Darricarrère, de 30.000 garrafas por ano, parte de uma filosofia de integração entre a natureza e o homem, ou, como eles mesmos bem colocam, integração entre o terroir e a enologia.

Por falar em terroir, a Campanha Gaúcha oferece excelentes condições para o cultivo da uva e para a consequente produção de vinhos de grande qualidade: latitude onde a incidência dos raios solares já apresenta boa inclinação, estações do ano bem definidas, boa amplitude térmica...Se quiser ler mais sobre a Campanha Gaúcha, clique  aqui.

Mas voltemos ao surpreendente Marie Gabi. Um vinho rosé muito delicado, produzido exclusivamente com uvas Cabernet Sauvignon.

E como a Cabernet Sauvignon, a “rainha” dos vinhos tintos, se transforma em um vinho rosé, nesse caso? Pela prensagem (ou compressão) direta, método de produção escolhido pelo jovem enólogo Anthony Darricarrère.

Por esse método, as uvas tintas são vinficadas da mesma forma que as uvas brancas, sendo prensadas antes da fermentação, logo que chegam à vinícola. Assim, a parte sólida das uvas permanece em contato com o mosto apenas durante o tempo necessário para a prensagem dos bagos, liberando uma quantidade reduzida de antocianinas (componente presente na casca, e responsável pela coloração dos vinhos).

O resultado visual é um rosé bem brilhante, com uma cor que fica entre cobre claro e salmão, lembrando a cor típica de exemplares da Provence.

O rótulo é um capítulo à parte. Um filete cobre traz ainda mais delicadeza para uma ilustração que é para lá de graciosa. No verso, a gente lê, extasiado:

Aroma de liberdade

Corpo que seduz

Cor de felicidade,

Rosé como a vida

Brilhante como a luz

Nossa sugestão é servir o Marie Gabi a aproximadamente 10°C. Ignore a ideia de “quanto mais gelado, melhor”. Se o vinho estiver demasiadamente gelado, ele esconderá seus aromas, e seu gosto também será prejudicado, visto que olfato e paladar são sentidos intimamente relacionados.

Esse é um vinho com muitas camadas de aromas, tanto florais como de frutas, e com um paladar muito elegante. Ele é seco, com a acidez na medida certa, de corpo medianamente leve, e com 12,5% de teor alcoólico.

Um rosé com a cara do nosso clima tropical. Excelente para acompanhar saladas e carnes brancas, e certamente uma grande escolha se o cardápio for sushis, sashimis ou ceviches. Mas, na verdade, trata-se de um vinho bem versátil, muito fácil de combinar!

Para fechar com chave de ouro, o preço do Marie Gabi é super atrativo.

Você vai ficar tão surpreso com o Marie Gabi, que vai se perguntar: “Como eu não conhecia isso antes?”

E, se quiser saber mais sobre a Recomendação Tintos&Tantos, clique aqui.




Artigos mais lidos